Engenharia

Execuções Técnicas

Sistema de Hidrantes: sistema de combate a incêndio através de descarga manual de água, sendo assim, o combate por este método depende exclusivamente do manejo adequado dos equipamentos instalados. O sistema é composto por uma rede de tubulações, bombas, registros e válvulas que atendam os parâmetros de cálculo previstos em normas, em perfeita adequação ao risco existente na edificação. Este tipo de sistema bastante usual e no Brasil é exigido na maioria das grandes edificações e está acessível para utilização em caso de emergência. Para isso são instalados pontos de tomada d’água em locais estratégicos, de acordo com projeto e reserva de água exclusiva para combate a incêndio. O sistema também é composto de acessórios específicos como: esguichos, mangueiras, adaptadores, abrigos, chaves, etc.

NORMAS DE REFERÊNCIA: NT 004-CBMDF; NBR 13.714 - ABNT

 

Sistema de Sprinklers: trata-se de sistema especial de combate a incêndio, integrado por tubulações aéreas, aparentes e subterrâneas, proporcionando vazão calculada nos chuveiros automáticos que entram em funcionamento automaticamente, permitindo que a água incida com volume adequado sobre a área em chamas. O Sistema de Sprinklers é reconhecidamente um dos mais eficazes no combate a incêndio, sendo exigido em grande parte das edificações, dependendo de sua ocupação, grau de risco e área construída. Este sistema exige atenção especial em sua concepção, necessitando de projeto técnico rigorosamente calculado, considerando todos os riscos e características peculiares a cada edificação. Além disso, são necessários dispositivos específicos e projetados para a instalação, sendo composto por válvulas, conexões, tubos, reservatório exclusivo, alarmes e supervisão.

NORMAS DE REFERÊNCIA: NBR 10987/2007 – ABNT

 

Sistema de Detecção e Alarme: constitui-se por um conjunto de elementos estrategicamente dispostos e adequadamente interligados que fornecem informações relativas a princípio de incêndio. Estes dispositivos podem ter indicações sonoras e visuais que interligados a centrais eletrônicas desempenham a função automática ou manual de alarme na edificação. O projeto de detecção e alarme de incêndio deverá ser elaborado de acordo com a atividade desenvolvida, condições físicas, químicas e acústicas de cada local. Em regra geral são constituídos de acionador manual QV, sirenes, painel repetidor, avisadores, detectores, centrais e baterias. Quanto aos detectores, estes são empregados de acordo com o risco e especificidades da edificação podendo ser: de chama, temperatura, fumaça, óticos, termovelocímetricos, térmicos, convencional, inteligentes, lineares, pontuais, alta sensibilidade, etc.

NORMAS DE REFERÊNCIA: 17240/2010 – ABNT

 

Sistema de Iluminação de Emergência: consiste num conjunto de componentes e equipamentos para juntos, na falta de energia elétrica da edificação, proporcionarem níveis de iluminação mínimos pré-estabelecidos para:

- permitir saída fácil e segura das pessoas do interior para fora da edificação;

- permitir a execução de manobras de segurança e socorro no interior da edificação.

Sendo previsto dois tipos de iluminação de emergência: de aclaramento e de balizamento, permitindo dessa forma o trânsito e o direcionamento pelas rotas de fuga. Demanda projeto devidamente elaborado e calculado, tendo em vista atender os padrões exigidos quanto aos níveis de aclaramento e autonomia previstos em normas.

NORMAS DE REFERÊNCIA: 10898/99 da ABNT

 

Sistema de SPDA: é um Sistema de Proteção contra Descargas Elétricas, popularmente chamado de para-raios. A instalação dos Sistemas de proteção contra descargas atmosféricas (SPDA) é uma exigência do Corpo de Bombeiros, regulamentada pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, e tem como objetivo evitar e/ou minimizar o impacto dos efeitos das descargas atmosféricas, que podem ocasionar incêndios, explosões, danos materiais e, até mesmo risco à vida.

NORMAS DE REFERÊNCIA: 5419/09 da ABNT

 

Sinalização de Segurança e de Emergência: sinalização de emergência tem como objetivo informar e direcionar os ocupantes da edificação em caso de incêndio, tendo por objetivos: reduzir a probabilidade de ocorrências de incêndios, e em caso de incêndio indicar as ações apropriadas de combate e utilização dos meios existentes no local. Devem ser executadas mediante avaliação física do local e em consonância com características do sistema de prevenção e combate a incêndio existentes/instalados na edificação.

NORMAS DE REFERÊNCIA: NBRS 13.434-1/04; 13.434-02/04 E 13.434-03/05


Proteção por Extintor: equipamentos de utilização manual, podendo ser portátil ou sobre rodas, destinado a combater princípios de incêndio. A utilização dos extintores depende do conhecimento do agente extintor e o tipo de incêndio, sendo assim, apesar de utilização simples deverá haver sempre um treinamento adequado para que seja empregado corretamente.

NORMAS DE REFERÊNCIA: 12.693/2010 DA ABNT

 
Saída de emergência: as saídas de emergências devem ser estabelecidas com portas instaladas com as mínimas definições exigidas pela ABNT. Os guarda-corpos são instalados em desníveis superiores a 19cm e corrimãos nas escadas.
NORMAS DE REFERÊNCIA: NBR’S 9077/01, 14718/08 e 14880/02 da ABNT
 

CENTRAL USO DE RECIPIENTES DO TIPO P-13:

NT 005/02-CBMDF, NBR’S 13523/08, 15526/12 E 15514/08 da ABNT²